quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Mãos




Mão que se movem
São as mesmas que acenam
Se despedirem saúdam
Que apertam outras mãos

São as que tocam no corpo
Deslizam apertam
Afagam e sentenciam
O ato que só elas são capazes de fazer

São as que cobrem o rosto
De tristeza vergonha
São as que denunciam
Nosso verdadeiro estado de espírito

São as que condenam
Apontam a machucam
São as que denunciam
Gesticulam gestos banais
E perduram séculos

Mãos que se encontram
Que concretizam o amor
Que auxiliam e emocionam
Cativas mesmo paradas

Mãos que aplaudem
Que reconhecem um espetáculo
Que fazem barulho
Mas que também suavizam

São nossa alma
Transmitem energia
São dedos e movimentos
Que traduzem a vida

4 comentários:

Thais Michele Rosan disse...

As mãos dizem muita coisa, como os olhos.

Adorei o poema...

beijos

MARCOS LEITE disse...

cara,gostei de seu poema,ontinue escrevend assim,estar indo muito bem!

meu amigo,entre em meu blog:

http://reefugio.blogspot.com

E deixe seus comentarios!que logo retribuirei!

Helena Gaspari Canela disse...

Adorei seu poema.
E obrigada pela visita pelo blog. =)

Mãos são mãos. Capazes de tanto. E de tão pouco...

Meire disse...

Ahhhhhhhh



Que honra! haha

Você escreve mto bem tb, sabe disso! ;)