quarta-feira, 28 de novembro de 2012

# Segredos


no celular
ela
fala
digita
tira fotos
e sorri

depois
se cala
apaga
os vestigios
do seu pecado
( sua vida)

na rua
disfarça
discreta
ignora
os gracejos

em casa
ou longe dos conhecidos
se revela
sacia seus desejos
e sorri

assim
segue os dias
e ninguem sabe da sua vida
ninguem sabe da sua vida
mas
 eu sei...

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Passatempo

de dia
acordo
suscinto

à tarde
passa
despercebida

ja à noite
é longa
velhos tempos
de boemia

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Roger Scruton - Por que a beleza importa? - Why Beautty Matters? - Legendado

O que é arte? o que é beleza?  Esse excelente documentario nos faz relfetir sobre esses dois temas tao importantes desde sempre, mas que esta sendo destruido pela  a dita '' arte moderna'' .Muito interessante tema que foi abordado de forma excelente por este documentário.
A beleza vista de outra forma.





terça-feira, 28 de agosto de 2012

Memórias de um Travesseiro





em ti abrigo sonhos
confissões                                                         
fantasias

as mais torridas noites                          
e os mais tristes dias

sequei tuas lágrimas
mas também ja senti sua alegria

As vezes de pluma
As vezes de algodão

Sou eu quem conforta tua cabeça
e aquece seu coração

Confesse, fui o seu melhor amigo
discutir isso não faz sentido

e comigo que sonhas
é comigo que acordas

Atenciosamente
seu travesseiro




quarta-feira, 25 de julho de 2012

quinta-feira, 21 de junho de 2012

O argentino





Cidade do rio de janeiro. Em um passado não tão distante assim. Um casal de americanos foi seqüestrado. Foi noticiado praticamente em quase em todos os tele jornais da grande mídia. A polícia disse estar empenhada nas investigações. O governador do Estado noticiou estar surpreendido com a situação, afinal, como uma cidade tão bonita e protegida como o Rio, ser vitima desses bandidos? De quem é a culpa Brasil? Minha com certeza não é- diz o governador com um belo sorriso amarelo.

****************

Do alto do morro um homem de estatura média de pele parda fuma calmamente seu cigarro e toma uma dose de cerveja de péssima qualidade ( sabe aquelas cervejas que passam nos comerciais? Pois é, são essas mesmas ). Bota a mão no saco e diz – que merda argertino, agora ta passando em todo canal sobre o nosso lance. Te falei que isso ia dar merda! – relaxa Tonhão, tu já sabia que isso ia acontecer desde o começo. Deixa de viadagem! – diz  o outro com tom tranqüilo, mas com ar de sarcasmo. Tinha uma aparência melhor a pela e roupas mais cuidadas. Chamava- se Rubens, mas era mais conhecido como o argentino.

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Feriado Prolongado




Ah, as cartas que eu nunca escrevi
Guarde-as com cuidado
Pois nelas estão
A saudade que tanto queríamos
que tivéssemos
De nós mesmos

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Longa noite


por Olavo de Carvalho

Se há uma coisa que, quanto mais você perde, menos sente falta dela, é a inteligência. Uso a palavra não no sentido vulgar de habilidadezinhas mensuráveis, mas no de percepção da realidade. Quanto menos você percebe, menos percebe que não percebe. Quase que invariavelmente, a perda vem por isso acompanhada de um sentimento de plenitude, de segurança, quase de infalibilidade. É claro: quanto mais burro você fica, menos atina com as contradições e dificuldades, e tudo lhe parece explicável em meia dúzia de palavras. Se as palavras vêm com a chancela da intelligentzia falante, então, meu filho, nada mais no mundo pode se opor à força avassaladora dos chavões que, num estalar de dedos, respondem a todas as perguntas, dirimem todas as dúvidas e instalam, com soberana tranqüilidade, o império do consenso final. Refiro-me especialmente a expressões como “desigualdade social”, “diversidade”, “fundamentalismo”, “direitos”, “extremismo”, “intolerância”, “tortura”, “medieval”, “racismo”, “ditadura”, “crença religiosa” e similares. O leitor pode, se quiser, completar o repertório mediante breve consulta às seções de opinião da chamada “grande imprensa”. Na mais ousada das hipóteses, não passam de uns vinte ou trinta vocábulos. Existe algo, entre os céus e a terra, que esses termos não exprimam com perfeição, não expliquem nos seus mais mínimos detalhes, não transmutem em conclusões inabaláveis que só um louco ousaria contestar? Em torno deles gira a mente brasileira hoje em dia, incapaz de conceber o que quer que esteja para além do que esse exíguo vocabulário pode abranger.

segunda-feira, 4 de junho de 2012

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Para fazer um bom poema

Para fazer um bom poema
É preciso
Inspiração
Um pouco de loucura
Precisão
E uma boa doce de mentira
O resto fica o tempo

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Palavras ao vento


esqueça!
a vida é uma causa perdida
esqueça!

jogue tudo fora
esperanças, amores, saudade
isso é apenas uma questão de vaidade

seja sensato!

de onde vem essa furia
que sai de seus olhos?

nao ve que  o unico
a acreditar nessas mentiras
é você?

esqueça...

são apenas palavras ao vento
adormecidas
que o tempo
não cança de cantar




sexta-feira, 11 de maio de 2012

Se vivemos num mundo cão, onde está a ração? nos livros? nos bons princípios? pelo que vejo, muitos não passam de porcos se entupindo de lixo cultural e total alienação.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

converça entre cabides





-entre tantas roupas
e nessa escuridão
onde estao os sentimentos?

tens razao,
cobertos por tudo
menos de verdadeiros sentimentos

e no final das contas
escolhem apenas

as melhores roupas

as melhores..

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Velha Caixa



Já foi espaço nave
barco , casa
dentre outras coisas

agora era só uma velha caixa

Hoje a  caixa só  havia o necessario:
livros,caderno de anotações 
video game , Cds
e um velho album de fotografias

o caminhão de mudança tinha chegado
olhei pra velha caixa
e para o espelho
de repente,me dei conta
que tinha uma coisa que não caberia na caixa
a saudade 

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

A mulher, o bebê e o intelectual


                      Ilustração de Ricardo Cammarota (+ trabalhos) para este artigo no jornal FSP



Por Luiz Felipe Pondé


Os comunistas mataram muito mais gente no século 20 do que o nazismo, o que é óbvio para qualquer pessoa minimamente alfabetizada em história contemporânea. Disse isso recentemente num programa de televisão. Alguns telespectadores indignados (hoje em dia ficar indignado facilmente é quase índice de mau-caratismo) se revoltaram contra o que eu disse.

Claro, a maior parte dos intelectuais de esquerda mente sobre isso para continuar sua pregação evangélica (no mau sentido) e fazer a cabeça dos coitados dos alunos. Junto com eles, também estão os partidos políticos como os que se aproveitam, por exemplo, do caso Pinheirinho para “armar” a população. O desespero da esquerda no Brasil se dá pelo fato de que, depois da melhoria econômica do país, fica ainda mais claro que as pessoas não gostam de vagabundos, ladrões e drogados travestidos de revolucionários. Bandido bom é bandido preso. A esquerda torce para o mundo dar errado e assim poder exercer seu terror de sempre.

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Amor de Verão




amor de verão
é uma bolha de sabão
que voa e estoura no céu
despedça um coração

é vela de maresia
que leva lembranças
para outras praias

não cabe na mochila
não consta nas fotos
e nem será reprisado nas noite de solidão

amor de verão
é devaneio da juventude
cabe apenas no momento
ou  verso

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Soneto do Desempregado




com a mão na frente e a outra atras
e com a carteira vazia,
sou mais um na fila
por um trabalho, uma saída 

sao noites mal dormidas
me falta ar, chão, comida
pois é o dinheiro que move
essa minha amarga vida

amigos, parentes, conhecidos
todo mundo tem emprego
menos esse com os classificados na mão

pois sem trabalho nao sou ninguem
sou apenas, meu caro
mais uma estatistica da humilhação