terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Amanda

Te dou um nome
Finjo que é mentira
Até esqueço que sou outra
Me abraça, mas não aperta muito.

Olho de lado, mas respondo.
Pega na minha mão e sente
Reage quando falo contigo
É como se fosse à primeira vez

Quando eu beijar, morda.
Não devora, deixe um pouco.
Me conduza, mas sei onde estou.
Respiro e volto ao começo.

Fale besteiras
Meu sorriso é verdadeiro
Me responda só de me olhar.

Eu grito você se vira
Choro, mas não entendo.
Outra noite te encontro.
Ignoro
E bebo de uma vez.

Promete que muda? ....sei
Ficam tão bonitos em mim!
Assim eu fico sem jeito
Promete que é nesse ano?

4 comentários:

Fim de verão disse...

Nossa, muito bom.

Hanna Regen disse...

criei um cenário interessante ao ler teu lexto. imagem iniciada logo que de início. amanda. que eu o interpretei como um nome próprio feminino, de início, e depois estreitei o olhar. a-manda. do ato de mandar. um homem aparentemente que desejar aparentar que comanda a situação. solicita atitudes muito reais da mulher. solicitações que podem lhe causar dor inclusive. no fim de tudo, ele se mostra frágil. se mostra comandado pelos próprios sentimentos. sentimentos esses que se personalizam na figura da mulher. não sei se desejaste dizer tudo isso. não importa. achei fantástico. parabéns. :)

Karla Moreno disse...

Um tanto romantico. Mistura de pessimismo com mal de amor.
Gostei! =)

Beijao.

Arlequim disse...

Não sei pq (e mesmo se soubesse, não sei se diria..haha), mas isso mexeu comigo.
Mexeu mesmo. A sensação é tão estranha. rs
ai ai