sábado, 11 de abril de 2009

Cenas de um Casamento


Os convidados  se alinham em uma sala de eventos, formando uma considerável fila para cumprimentar a bela mulher que esta celebrando um dos momentos mais bonitos e porque não , mais esperado de sua vida : o casamento.
Mal tinham completado dezessete, quando se conheceram. Ela acabara que sair de um relacionamento de dois anos, jurava para as amigas que após tanto tempo ter  suportado desilusões, mentiras, prováveis traições e tantos outros boatos sobre seu ex, que prometera se dedicar somente aos estudos  e , quem sabe , a rápidas aventuras, sem compromissos, uns beijos, uns copos,e um talvez  te “vejo por ai’’ .


Foi quando como um mero capricho ou circunstancias cotidianas que desse de cara com ele. Pois é , as coisas que marcam as pessoas acontecem quando menos se espera, sem planos, sem frases ensaiadas por horas a fio no espelho, assim vai tudo por água abaixo. Ele perguntou as horas, ela olhou rapidamente para as amigas que de antemão, se afastaram esboçando alguns rizinhos como se dissessem “ mas que mulher de sorte , mal sai de um namoro já cai por outro , melhor deixa ela mais à-vontade’’.malditas sejam , agora tivera a prova que  amizades entre mulheres é algo que deve ser ficção , o que existe deva ser mais cumplicidade , mas nem isso tinha. 
Como uma coisa puxa outra, e as afinidades progredindo, não demoram e acabam se vendo outras ocasiões até mostrara seu relógio ( não é que ele tinha um no final das contas!) .ele muito alegre, corpo atlético,exibira a saúde e disposição que ela não via em outros homens que ela  conhecera .Bem, ela  teve apenas um namorado como foi citado, mas isso não significava que pertencia somente  um homem, antes conheceu varias bocas, mas só um conseguiu foi capaz de lhe convencer que namorar valia a pena ,o resto esta nas entrelinhas.
E o tempo foi passando, mas a vontade de fica junto só crescia, ficava até chato de tanto de os dois juntos; ou era na escola, no clube, no cinema  sem falar de outros lugares propícios a dois amantes.
Até que chegou o momento do noivado. Como estavam felizes, em menos de um ano já estavam com data marcada; era uma moça de sorte, pois alem encontrar o homem perfeito, tinha um casamento de verdade, sem aqueles intermináveis noivados que a palavra casório virava até lenda.
Mais como ela fazia gosto em exibir a argola que estava em seu dedo e que  agora já fazia parte de seu corpo e ela  carregaria até o fim  na saúde , na doença em suma, até o resto de sua singela existência de esposa bem amada.
Uma musica instrumental toca no salão. Parentes  que de vez em nunca se viam,pois não há oportunidade ou infortúnio  para se encontrar certos familiares como casamentos e funerais. Apesar de algumas diferenças familiares, todos estavam na cerimônia para desejar felicidade aos noivos, mesmo aqueles que so estavam por la para garantir as lembras gastronômicas do evento .
Como foi demorada a chegada da noiva. O rosto dele demonstrara facilmente     a preocupação. Será que ela desistiu na ultima hora? Sempre desconfiava dessa possibilidade, não há desgraça pior para um homem que abandono, fica marcado pro resto da vida. Um dia antes, ela  estava muito agitada, falava abruptamente e com um tom alterado , mas depois descartou uma possível desistência, pois isso acontece com qualquer moça no dia do casamento. Já estava sendo sufocado por aquela gravata a qual estava usando de tanto esperar por aquela mulher que em poucas horas será sua por toda vida até que a morte os separe amem.
Após alguns bochichos, surgi na porta do altar uma elegante mulher com um vestido todo moldado, com um véu que assentada perfeitamente com aqueles olhos com de mel e com uma grande causa que completava aquele traje tão especial que ela  e  tantas outras sonhara desde menina, apesar de algumas mudanças como independência , auto afirmação feminina  e um novo padrão de vida moderna esteja acontecendo , ainda existem aquela moçinha com suas bonecas e tranças a imaginar pela chegada do príncipe encantado .

Feito como estava no planejado com marcha nupcial, pessoas dormindo devido a demora, mulheres chorando ( incrível como se multiplica o numero de mulheres que se comovem com tal acontecimento, talvez isso ocorra por algo como sensibilidade feminina, comoção ou somente por  inveja mesmo) a dama de honra e o acompanhante dela que nesse momento estava puxando a calda do vestido da noiva cada do vez mais alto , sinal que a curiosidade pelo oposto já esta aguçado.
 Então é feito o discurso pelo padre, são feitos os votos que serão selados por eles durante o resto de suas vidas ou até se enjoarem um do outro. Enfim , as alianças, que de agora em diante, será o símbolo daquela união, é colocada no dedo de ambos sobre as juras feita entre eles. O feito se encerra com a ordem do beijo, e que beijo! A emoção se mistura entre aplausos e incessantes choros. E saem com sorrisos e sonhos de uma nova vida a partir agora. São brindados por uma chuva de arroz simbolizando fecundidade, antigos hábitos, sem se preocupar com desperdício, pois em lugares não tão distante, famílias morrem aos montes por um pouco de comida, mas o importante é que é um ato muito chique e mundial joga-se arroz nos filmes; novelas em outras partes, e não é agora que será dispensado tal cerimônia. Viva os noivos!
A festa é embalada com musica instrumental de fundo. Bem, o repertorio não muito desconhecido, pois usa-se na maioria das festas , enfim musicas executadas na maioria dos casamentos. Os noivos continuam sendo cumprimentados, mas a maioria dos elogios sem duvida vão para a noiva que esbanja aos quatro cantos esse grande momento de felicidade da sua vida.
Após as felicitações chega o momento mais esperados pelos familiares: a comida. Sim pois se tem coisa boa em um casamento é comida de casamento. Talvez isso explica porque as famílias se encontra nessas cerimônia .
E agora marido e mulher, esposo e esposa, encontram os convidados para uma conversa. A maioria velhos amigos ou o que sobrou deles. Ela com suas amigas, ele com os colegas e alguns conhecidos de futebol. Após alguns risos, ela reencontra um antigo conhecido: o ex-namorado. Sim, não é que ele esta mudado?! O rosto parecia o mesmo, mas algo em seus olhos estava mais charmoso. Ela quase não reconhecera se não tivesse  o mesmo nome. Ele estava muito feliz por ela ter encontrado o cara da sua vida, falou ate de inveja, isso porque ambos nunca cogitaram a palavra casamento nos tempos em que estavam de namoro. Após algumas palavras, ela notara como ele estava diferente, estava mais sábio, entendia um pouco de filosofia e conceitos antropológicos, como ela adorava ouvir palavras desconhecidas ao pé do ouvido nos momentos mais tórridos; ele sabia como deixa uma mulher louca. Disse que não para em nenhum lugar, esta cada hora em um país diferente, ah como a vida deixava-o mais elegante. Sem duvida deve saber e ter beijado muitas línguas , conhecidos os mais belos sabores que cercam esse mundo e que ela so viu em poucos livros que folheava com ele em outrora, tempos inesquecíveis.
Mas não faltaram elogios da boca dele. Estava nítido que ele olhava para ela com um olhar de fascinação. O namoro e amadurecimento faziam muito bem para a pele dela. Ah, seu bobo sou como qualquer uma dessa festa, disse ela com um rosto rubro. Pois reforço que agora sim confesso que estou eternamente arrependido não ter ficado com você , falou após um alguns risos  e uma leve troca de olhares e apertos de mãos , como eles se olhavam. 
Após alguns minutos chega o momento mais esperado pelas solteironas: quem será que vai ficar com o  bouquet? Uma grande aglomeração de mulheres  se batem



para apanharem aquilo que será o amuleto para seu destino para o altar , que será eu , que será eu. Enfim, é lançado o objeto, as mulheres travam uma guerra entre si , apos alguns segundos surgi a ‘’ feliçarda’’ , uma companheira de serviço com mais de trinca , a mulher não para de gritar com tamanha alegria. Agora é aplaudir e encontrar o príncipe da sua vida e ver a inveja que se disfarçava nos aplausos e felicitações das outras solteironas.
A cerimônia se encerra com um baile ao som da trilha sonora escolhida pelo casal. Em cada musica esta uma parte que ambos dividiram por todo esse tempo de relacionamento, e isso se espalha por outros que por ali valsam , trocam risadas , olhares , drinques. Ele olha para sua mulher, agora esposa  e diz Eu te amo e ela sorri olha para  lado , e  se surpreende , pois avista seu ex, que dançava com uma mulher , talvez fosse sua namorada, ou apenas dançava para não perde-la de vista. Então ela repara que ele disse algo, ela pede para ele repetir, ele sorri , Esta sempre de brincadeira, es perfeita por isso que eu te amo. Ela sorri mais uma vez , olha discretamente para o outro, o ex que não tira o olhar sobre aquela mulher que usa o vestido branco, símbolo da pureza e uma antiga castidade  de antigas tradições e da um demorado beijo e também diz que o ama. O ex levanta uma taça , deseja felicidade aos noivos ,  os convidados saúdam o gesto com aplausos demorados e gritos de felicidades ; se abraçam e se beijam novamente. Após isso saem da festa para enfim consumarem a tão esperada lua de mel. E partem com sorrisos e uma nova vida que começava para ambos com viagens , cachorro filhos , crises .. mas ela não parava de pensar naquele homem que ficaram para traz agora com o telefone dela nas mãos.

2 comentários:

Kakau Lira disse...

Só pra registrar o que registrei a pouco no conto incompleto. Gostei... =D

Midori disse...

Muitoo bom =)