segunda-feira, 4 de maio de 2009

A Brisa e o Catavento



Cata vento
em tempos de calmaria
voa as folhas secas
nos cabelos longos daquela menina.
Sem pensar em nada, suave.
Perfeita harmonia

É so fechar os olhos,
e respirar.
Sentir a barulho mudo .
Suave e calma Brisa
fim de tarde
viajar
ainda sorrido 
amando.

11 comentários:

nuncafuisanta disse...

E o vento tb traz maio. E eu fico a espera de tudo o que está por vir, em aberto. Aberta.

nuncafuisanta disse...

obs: linkei o blog

bjs

ameninamulher disse...

Adoro o som do vento, adoro o vento bagunçando o cabelo só pra fazer cócegas na nuca.

beijos,
Luciana

Meire disse...

Um sopro de vida.

Monique disse...

E o catavento não catou todo o vento, preferiu distribuí-lo em igual alegria.

Rogerio disse...

muito bom..o poema....

Magoo disse...

Catavento...objeto simples e cíclico.Como a História, como a vida...

.
http://bloggalemdoqueseve.blogspot.com/
.

Will disse...

Melhor que a brisa só a chuva com a companhia desejada...


Passa no meu..
abraço

Alexandra Deitos disse...

Belo poema!

Bruna Berri disse...

O prazer da vida está nas coisas simples... no vento, nos fios de cabelo dançarinos.

Fionna disse...

Olha só.. eis que o poema fez dentro de mim a mesma coisa que o vento.. hehe Tem um lugar com vários eucaliptos que, quando o vento bate, é um som perfeito. Nessas horas, naquela universidade, só existe eu. Hiii viajei.. rss

Beijos, volto mais vezes!